sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Ex-aluna do CP² se forma com destaque acadêmico na Unicamp
Jéssica Cecim, à esquerda, com a colega Tainá Souza, do curso de Geologia (Foto: divulgação)


“Levei o maior susto quando chamaram meu nome”. Foi assim, de surpresa, que Jéssica Cecim descobriu durante sua colação de grau de bacharel de Geografia na Unicamp que tinha ganhado o Prêmio CREA-SP de Formação Profissional. O critério para a premiação é o desempenho acadêmico dado pela média das notas obtidas pelos alunos nas disciplinas da graduação. A estudante, que foi aluna do Cursinho Prof. Chico Poço em 2010, obteve o melhor desempenho acadêmico da sua turma de graduandos em Geografia.

Apesar de ter ressalvas quanto ao prêmio por acreditar que ele incita uma lógica de competição entre os alunos, além de qualificá-los apenas a partir de suas notas, a geógrafa acredita que a premiação foi importante por causa da representatividade. “Depois do susto, morri de felicidade quando chamaram também a Tainá do curso de Geologia. Duas mulheres em meio a cursos nos quais a figura masculina tem maior destaque e o machismo rola solto todo dia. Sempre estive mergulhada em várias crises e questionamentos acerca da minha própria identidade, mas foi nesse dia, nesses instantes, que me reconheci pela primeira vez, com convicção, enquanto mulher negra. Éramos duas mulheres negras diante de uma mesa de professores homens e brancos. O prêmio, mesmo com as ressalvas que possui, nos serviu para um grande propósito: mostrar que representatividade importa, sim”, declara.

Cursinho foi fundamental em sua trajetória acadêmica

Para Jéssica, sua experiência como aluna do Cursinho CP² foi fundamental em sua trajetória acadêmica, tanto na formação de sua identidade enquanto geógrafa e professora de Geografia, como para que ela um dia tenha acreditado que poderia estar onde está hoje. “Passar pelo CP² me ajudou a acreditar na possibilidade de acesso e ocupação da universidade pública”, enfatiza.

Atualmente, Jéssica é professora do Proceu Conhecimento, um cursinho popular sediado em Barão Geraldo, onde busca repassar aos alunos os mesmos ensinamentos que aprendeu. “Um dos maiores valores que procuro trabalhar com meus alunos é o de ir contra o sistema educacional que nos afasta da universidade, que leva em consideração de onde viemos para nos dizer onde não devemos estar - que é na universidade pública.” E a geógrafa dará continuidade à sua trajetória acadêmica dentro de uma universidade pública, pois acabou de ingressar no mestrado também na Unicamp, na área de ensino de Geografia e currículo.

A ONG Cursinho Prof. Chico Poço é uma organização civil sem fins lucrativos, que visa anualmente investir em sonhos de centenas de jovens de Jundiaí e região. Trata-se de um cursinho pré-vestibular popular, que tem como público-alvo estudantes que desejam ingressar em uma universidade de qualidade, porém não apresentam condições financeiras para preparar-se fazendo outros cursinhos pagos.

1 comentários:

  1. Ter uma ex-aluna de um cursinho popular condecorada como melhor aluna da turma só tem um sentido: os sonhos não devem ruir na primeira oportunidade, e o direito a universidade pública e gratuita deve ser sempre o norte nas lutas dos estudantes!

    ResponderExcluir

COMO O CP² FUNCIONA

Voluntários

São mais de 50 voluntários trabalhando todos os dias pela educação

Grade horária

Aulas de segunda a sexta, das 19h às 23h, e também aos sábados, com plantões diários

Simulados e eventos

Preparamos os nossos vestibulandos formal e informalmente, com provas simuladas e eventos que incentivam os alunos

120

vagas para alunos

82

aprovações
can